Efeito Mútuo Entre o Crescimento de Novas Empresas e o Desenvolvimento da Sociedade Brasileira: O Papel da Atividade Empresarial nos Estados Brasileiros

Patrícia Sá de Roure, Rafael Barreiros Porto

Abstract


Algumas tipologias jurídicas empresariais no Brasil podem favorecer ou inibir o desenvolvimento da sociedade, simultaneamente a trajetória desse desenvolvimento pode incentivar ou decair taxas de criação de novas empresas. Porém, essas relações são pouco investigadas na literatura brasileira. A pesquisa visou analisar os efeitos mútuos entre o crescimento de novas empresas (total e subdividido por tipos jurídicos) e o desenvolvimento da sociedade brasileira (classes socioeconômicas e rendimento). Um estudo foi realizado com 297 casos (combinação dos 11 anos com dados das variáveis dos 26 estados brasileiros mais o Distrito Federal) do período de 2001 a 2011. Com modelagem econométrica via equações de estimação generalizadas, construíram-se painel de dados por estado. Os resultados demonstram sete padrões de efeitos mútuos de que o crescimento de novas empresas é afetado pelas características da população que fornecem o contexto para seus surgimentos e as novas empresas modificam a sociedade numa relação dinâmica. A pesquisa evidenciou um ciclo de desenvolvimento na realidade brasileira, tendo como um dos principais atores a atividade empresarial.

atividade empresarial; novas empresas; desenvolvimento da sociedade; classe socioeconômica; rendimento

Keywords


Atividade empresarial; Novas empresas; Desenvolvimento da sociedade; Classe socioeconômica; Rendimento

References


Almeida, J. G., Santos, E. J. R., Albuquerque, C. P., & Ferreira, J. A. (2013). Desemprego e empreendedorismo: da ambiguidade conceitual à eficácia das práticas de intervenção social. PLURAL, 20(1), 31-56.

Ballinger, G. A. (2004). Using generalized estimating equations for longitudinal data analysis. Organizational Research Methods, 7(2), 127-150.

Bielschowsky, R. (2012, dezembro). Estratégia de desenvolvimento e as três frentes de expansão no Brasil: um desenho conceitual. Economia e Sociedade, 21(especial), 729-747.

Braga, T. V. M. (2012, agosto/dezembro) A nova classe média no Brasil: reflexões acerca de suas expectativas. Gestão & Sociedade, 1(2), 1-11.

Campos, T. M., Martens, C. D. P., Resende, M. R. de, Carmona, V. C., & Lima, E. (2013). Produção científica brasileira sobre empreendedorismo social entre 2000 e 2012. Revista de Empreendedorismo e Gestão de Pequenas Empresas, 1(2), 60-89.

Coelho, F. U. (2014). Manual de direito comercial: Direito de empresa. São Paulo: Saraiva.

Cucculelli, M. (2012). Family firms, entrepreneurship and economic development. Economia Marche Journal of Applied Economics, 31(2), 1-8.

Davidsson, P. (2006). Nascent entrepreneurship: empirical studies and developments. Foundations and Trends in Entrepreneurship, 2(1), 1-76.

Brito, R. P. de, & Brito, L. A. L. (2012). Vantagem Competitiva e sua relação com o desempenho: uma abordagem baseada em valor. Revista de Administração Contemporânea, 16(3), 360-380.

Faria, M. D., & Carvalho, J. L. F. S. (2011, setembro/dezembro). Planejamento de cenários e amplificação da variabilidade da demanda. Revista Eletrônica de Administração, 17(3), 823-846.

Ferro, J. R., & Torkomian, A. L. V. (1988). A criação de pequenas empresas de alta tecnologia. Revista de Administração de Empresas, 28(2), 43-50.

Fochezatto, A. (2011, janeiro/abril). Estrutura da demanda final e distribuição de renda no Brasil: uma abordagem multissetorial utilizando uma matriz de contabilidade social. Economia, 12(1), 111-130.

Garofoli, G. (1994). New firm formation and regional development: the Italian case. Regional Studies, 28(4), 381-393.

Gartner, W. B. (1985). A conceptual framework for describing the phenomenon of new venture creation. The Academy of Management Review, 10(4), 696-706.

Haug, M. R. (1977). Measurement in social stratification. Annual Review of Sociology, 3, 51-77.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). (2013). Séries estatísticas. Recuperado de http://seriesestatisticas.ibge.gov.br/lista_tema.aspx?op=0&no=6#

Kerlinger, F. N. (1973). Foundations of behavioral research. New York, NY: Holt, Rinehart and Winston.

Kirzner, I. M. (1978). Competition and entrepreneurship. Chicago: University of Chicago Press.

Kuznets, S. (1955). Economic growth and income inequality. The American Economic Review, 45(1), 1-28.

Leff, N. H. (1979). Entrepreneurship and economic development: the problem revisited. Journal of Economic Literature, 17(1), 46-64.

Liedholm, C. (2002). Small firm dynamics: evidence from Africa and Latin America. Small Business Economics, 18(1-3), 225-240.

Liedholm, C. E., & Mead, D. C. (2013). Small enterprises and economic development: The dynamics of micro and small enterprises. New York: Routledge.

Lins, A. G., Domingues, I. C. C., Del Corso, J. M., & Costa, J. A. S. (2012, julho/dezembro). Relacionamento entre performance, estratégia, ambiente empresarial e finanças corporativas: um estudo empírico no mercado brasileiro. Revista Capital Científico, 10(2), 49-62.

Martins, R. C. A. (2009). Cooperativas sociais no Brasil: debates e práticas na tecitura de um campo em construção. Sociedade e Estado, 24(3), 900-901.

Metcalfe, J. S. (2004). The entrepreneur and the style of modern economics. Journal of Evolutionary Economics, 14(2), 157-175.

Neri, M. C. (2011). Desigualdade de renda na década. Rio de Janeiro: FGV CPS.

Piff, P. K., Kraus, M. W., Côté, S., Cheng, B. H., & Keltner, D. (2010). Having less, giving more: the influence of social class on prosocial behavior. Journal of Personality and Social Psychology, 99(5), 771-784.

Pinheiro, F. G. (2011, agosto). Empresa individual de responsabilidade limitada. Conteúdo Jurídico. Brasília/DF. Recuperado em 20 março, 2013, de http://www.conteudojuridico.com.br/?artigos&ver=2.32963&seo=1

Porter, M. E., & Kramer, M. R. (2011, January/February). Creating shared value. Harvard Business Review, 89(1/2), 62-77.

Reynolds, P., & Miller, B. (1992). New firm gestation: conception, birth, and implications for research. Journal of Business Venturing, 7(5), 405-417.

Robb, A. M., & Robinson, D. T. (2014). The capital structure decisions of new firms. The Review of Financial Studies, 27(1), 153-179.

Romero, I. (2011). Analysing the composition of the SME sector in high-and low-income regions: some research hypotheses. Entrepreneurship & Regional Development, 23(7-8), 637-660.

Scarpin, M. R. S., Roncon, A., Correia, R. B., & Hoeltgebaum, M. (2012). Proposta de indicadores para um observatório de empreendedorismo no Brasil. Estratégia & Negócios, 5(3), 90-121.

Sobottka, E. A., Santos, H. P., Filho, Timm, L. B., Andrade, F., Grijó, E., Carneiro, C., Freitas, F. L. C., Martins, E. D. G., Tavares, T., Boza, G., & Brendler, G. (2010). A junta comercial e o seu papel no desenvolvimento da economia (Resumo do Projeto de Pesquisa apresentado ao Ministério da Justiça/PNUD, no Projeto Pensando o Direito PRODOC BRA/07/004). Série Pensando o Direito, (28), Porto Alegre/Brasília: PUC/RS/ Ministério da Justiça. Recuperado de http://pensando.mj.gov.br/wp-content/uploads/2015/07/28Pensando_Direito3.pdf

Souza, E. C. L., & Lopez, G. S., Jr. (2011). Empreendedorismo e desenvolvimento: uma relação em aberto. Revista de Administração e Inovação, 8(3), 120-140.

Stinchcombe, A. L. (2000). Social structure and organizations. Advances in Strategic Management, 17, 229-259.

Storey, D. J. (1991). The birth of new firms: does unemployment matter? A review of the evidence. Small Business Economics, 3(3), 167-178.

Suzuki, L. A., & Patricoski, M. P. (2013). Psychological assessment: social class, socioeconomic status counseling. In W. M. Liu (Ed.). The Oxford handbook of social class in counseling (Chap. 14). New York: Oxford University Press.

Tigre, P. (2006). Gestão da inovação: A economia da tecnologia no Brasil. Rio de Janeiro: Elsevier Brasil.

Tomazette, M. (2011). Curso de direito empresarial: Teoria geral e direito societário (3a ed.). São Paulo: Atlas.

Vicenzi, S. E., & Bulgacov, S. (2013, abril). Fatores motivadores do empreendedorismo e as decisões estratégicas de pequenas empresas. Revista de Ciências da Administração, 15(35), 208-221.

Wiklund, J., Davidsson, P., Audretsch, D., & Karlsson, C. (2011). The future of entrepreneurship research. Entrepreneurship Theory and Practice, 35(1), 1-9.




DOI: http://dx.doi.org/10.26668/businessreview/2016.v1i2.14

Article Metrics

Metrics Loading ...

Metrics powered by PLOS ALM

Refbacks

  • There are currently no refbacks.




Intern. Journal of Profess. Bus. Review (e-ISSN: 2525-3654)

Faculty of Economics and Business, University A Coruña, Rúa de Maestranza 9, 15001 A Coruña, Spain


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.